Validação de Equações Antropométricas e de Impedância Bioelétrica Para a Estimativa da Composição Corporal em Idosos

Por: .

132 páginas. 2006 17/02/2006

Send to Kindle


Resumo

O aumento da população de idosos tem desencadeado a necessidade de aprofundamento nas questões que abrangem o envelhecimento. Neste contexto, a análise das alterações morfológicas com a idade tem sido amplamente discutida. Evidências apontam que são poucas as informações sobre métodos válidos para a estimativa da composição corporal em idosos no Brasil. Desse modo, o objetivo deste estudo foi analisar a validade cruzada de equações antropométricas e de impedância bioelétrica (IB) para a estimativa da gordura corporal (%G) e da massa livre de gordura (MLG) em uma amostra de idosos do Município de Florianópolis-SC, tendo como medida-critério a Absortometria de Radiológica de Dupla Energia (DEXA). Foram avaliados 180 idosos (60 homens e 120 mulheres) com idade entre 60 e 81 anos, selecionados de forma aleatória sistemática, pertencentes a quatro Grupos de Terceira Idade, por meio de uma entrevista realizada por telefone. As variáveis de estatura, massa corporal, perímetros corporais, espessura de dobras cutâneas, reactância e resistência foram mensuradas pelo período da manhã, junto ao Centro de Desportos da Universidade Federal de Santa Catarina. As medidas da DEXA foram realizadas no período da tarde no Centro de Diagnóstico por Imagem em Florianópolis-SC. Foi analisada a validade cruzada de 20 equações antropométricas e 8 equações de IB. Para as equações que estimam a densidade corporal, utilizaram-se a equação de Siri (1961) e a equação adaptada por Deurenberg et al., (1989) para conversão em %G. As análises foram realizadas no pacote estatístico SPSS versão 11.5, adotando-se um nível de significância de 5%. Os critérios de validação cruzada sugeridos por Lohman (1992) e a análise gráfica das dispersões em relação à média, por meio do método proposto por Bland e Altman (1986), foram utilizados. O grupo avaliado apresentou um índice de massa corporal entre 18,4kg/m2 e 39,3kg/m2 . O %G médio foi de 23,1% (DP=5,8) nos homens e 37,3% (DP=6,9) nas mulheres, com uma variação entre 6% a 51,4%. As diferenças entre as estimativas das equações de conversão da densidade corporal em %G não foram significativas (p<0,05). As equações antropométricas generalizadas desenvolvidas por Tran e Weltman (1988) e Deurenberg et al., (1991) mostraram-se válidas para a estimativa do %G de homens idosos, apresentando um erro padrão de estimativa (EPE) entre 3,2% e 3,5% e uma correlação significativa r= 0,78 e r= 0,74, respectivamente, com a medida critério. Em relação ao grupo de mulheres idosas, foram válidas as equações antropométricas generalizadas de Durnin e Womersley (1974), Tran e Weltman (1988) e a equação específica de Gonçalves (2004). As mesmas apresentaram um EPE entre 3,26% e 3,50% , com um erro constante entre - 1,2% e 1,9%. Para a estimativa da MLG, as equações de Kyle et al., (2001), Dey et al., (2003) e Sun et al., (2003) não diferem estatisticamente da medida da DEXA em homens, tendo um erro constante entre - 0,7kg e 2,5kg. Já para mulheres, as equações de Kyle et al., (2001) e Dey et al., (2003) mostraram-se válidas (EC entre 0,3kg e 2,7kg). Em relação à análise das categorias de índice de massa corporal (IMC), as equações de Tran e Weltman (1988) e Durnin & Womersley (1974) superestimam o %G em homens com IMC<25kg/m2 . O mesmo aconteceu com a equação de Gonçalves (2004) em mulheres idosas, demonstrando que nesses grupos específicos de idosos essas equação não são válidas para a estimativa do %G. As equações de IB válidas não foram influenciadas pelas categorias de IMC. Com isso, as equações validadas no presente estudo podem ser utilizadas na população de idosos nacionais. 

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2022 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.