Uma Conturbada Trajetória Até a Linha de Chegada: o Iron Man Brasileiro nos Jogos Olímpicos de 1932

Por: Bruna Letícia de Borba, e Lucas Farias da Silva.

Anais do Fórum de Estudos Olímpicos 2021 e III Simpósio Latino-americano Pierre de Coubertin.

Send to Kindle


Resumo

A edição dos Jogos Olímpicos (JO) de 1932 foi marcada como sendo a terceira participação de uma delegação brasileira, tendo se caracterizado por grandes desafios enfrentados, sobretudo, pelos atletas (PETRIK, 2008). Foi uma viagem recheada de polêmicas, como as encenações para driblar a cobrança de pedágios e a duração de cerca de um mês, correndo o risco de não conseguir enviar a delegação aos Estados Unidos. Após chegarem em Los Angeles, entraves econômicos afetaram o desembarque e permanência de boa parte dos atletas; dentre eles, Adalberto Cardoso, um corredor de Santa Catarina que treinava na Liga de Sports da Marinha. Para participar da corrida de 10.000 metros, faltando apenas um dia para a data da sua competição, ele enfrentou uma estrada de centenas de quilômetros, de carona, sem ter conseguido treinar, descansar e se alimentar devidamente, chegou ao estádio onde seria disputada a prova, minutos antes da largada, e mesmo tendo caído ao longo do trajeto, persistiu e concluiu o trajeto, sendo o último dos atletas a cruzar a linha de chegada, demonstrando coragem e superação. Ao saberem de seus percalços, foi ovacionado pela imprensa e a plateia presente, as quais o denominaram “homem de ferro” (PEREIRA, 2016). Esta sua atitude foi apresentada como modelo de comportamento na perspectiva do Olimpismo por jornais dos Estados Unidos e do Brasil (SILVA et al; 2021). O Olimpismo está presente no cerne dos JO desde a sua restauração por Pierre de Coubertin, em 1896, guiando-se por valores éticos e balizadores da atividade humana, que favoreçam a busca pela tolerância, solidariedade, paz e o reconhecimento de igualdade entre os povos, não somente no sentido do rendimento esportivo, mas também nas ações de solidariedade, posições políticas e de integração com sua comunidade (FRÍAS, 2018; PARRY, 2006). Diante deste cenário, o presente estudo tem como objetivo compreender como a participação de um atleta brasileiro nos Jogos Olímpicos de 1932 foi representada em jornais de Santa Catarina e Rio de Janeiro. Para tanto, foi realizada uma pesquisa histórico-documental (DAY; VAMPLEW, 2015). Para o corpus documental, foram coletadas reportagens sobre Adalberto Cardoso em jornais dos estados de Santa Catarina e Rio de Janeiro. A participação de Adalberto nos JO foi abordada com grande entusiasmo pela imprensa brasileira, bem como utilizada como exemplo relacionada a outras participações brasileiras nesta edição dos JO, consideradas como de má conduta esportiva.

Comentários


:-)





© 1996-2022 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.