Sociedade em Foco #77: Mercantilização do Futebol Avança e Pode Atingir Times Financeiramente Fracos da América do Sul

Por: Jose Luiz Portella Pereira (Entrevistado).

Jornal da Usp - 2021

Send to Kindle


Resumo

Propósito comunitário dos clubes tem sido substituído pela mercantilização e, segundo José Luiz Portella, políticas públicas são necessárias para conter situação

O desenvolvimento do futebol acompanha um processo crescente de mercantilização. Um exemplo é a compra, pelo City Futebol Group — grupo ao qual pertencem times como o Manchester City —, de vários clubes de futebol espalhados pelo mundo, em países como Índia, China e Uruguai. Os acionistas desse grupo incluem várias empresas do setor financeiro, como a Abu Dhabi United Group (78%), a China Media Capital (12%) e a americana Silver Lakes (10%).

“Estamos tendo agora, em termos fortes, uma primeira multinacional do futebol e esses clubes têm uma relação entre eles, de venda de jogadores”, explica José Luiz Portella, autor de uma tese sobre o assunto e doutor em História Econômica pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

Esse movimento do futebol como atividade lucrativa, segundo ele, não atingirá todos os clubes, mas é “inexorável”. Principalmente nos países da América do Sul, com clubes financeiramente fracos e capazes de gerar jogadores famosos. “[Esses times] vão entrar nisso e vão acabar modificando o espírito do futebol que, na minha opinião, mexe com a paixão.” Para conter esse movimento que caminha para o esvaziamento do sentido comunitário dos clubes, Portella defende a necessidade de políticas públicas: “De cada país e da Fifa, que não faz”, afirma o professor.

Endereço: https://jornal.usp.br/podcast/sociedade-em-foco-77-mercantilizacao-do-futebol-avanca-e-pode-atingir-times-financeiramente-fracos-da-america-do-sul/

Comentários


:-)





© 1996-2022 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.