Os Jogos Eletrônicos no Cotidiano dos Alunos do 9° Ano do Ensino Fundamental

Por: e .

ETD - Educação Temática Digital - v.15 - n.3 - 2013

Send to Kindle


Resumo

Um dos desafios enfrentados pela educação é o de pensar em como utilizar as TIC de maneira efetiva para proporcionar aos alunos uma aprendizagem significativa e contextualizada que alie os conhecimentos científicos com os conhecimentos adquiridos pelos alunos por meio do uso cotidiano e intenso das tecnologias, como os jogos eletrônicos. Estes podem se constituir em estratégias de ensino possibilitando que o aluno aprenda brincando conceitos, valores e atitudes referentes aos conteúdos escolares. Assim, o objetivo do presente estudo foi verificar quais são os jogos eletrônicos preferidos dos alunos do 9° ano do ensino fundamental das escolas públicas do município de Rio Claro, além do tempo, local e plataforma de jogo. Este estudo fundamentando-se na Pesquisa Descritiva. Como instrumento para a coleta de dados foi elaborado um questionário com questões fechadas e abertas referentes aos objetivos propostos. Os resultados apontaram que 95% dos alunos gostam de brincar com os jogos eletrônicos durante todos os dias da semana, sendo o computador o mais utilizado e o celular a plataforma que os alunos passam mais tempo jogando. Os jogos mais preferidos destes alunos são, respectivamente os esportivos, de passatempo, de ação, plataforma e RPG. Como consequência deste estudo espera-se que os professores se conscientizem da necessidade de se inserir no mundo dos alunos, se motivem para formularem mais estratégias e aulas contextualizadas e lutem pelas mudanças necessárias para a efetivação dos usos das TIC na educação.

Referências

ALVES, Lynn Rosalina Gama. Game over: jogos eletrônicos e violência. 2004. 249f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004.

ALVES, Lynn Rosalina Gama; HETKOWSKI, Tânia Maria. Gamers brasileiros: quem são e como jogam? In: NASCIMENTO, Antonio Dias. Desenvolvimento Sustentável e Tecnologias da Informação e Comunicação. Salvador: Edufba, 2007. v.1, p. 161-174.

ALBUQUERQUE, Rafael Marques de. Diversão nos videogames: perfis de usuários de jogos eletrônicos. 2011. 166f. Dissertação (Mestrado em Design e Expressão Gráfica) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

BARROS, Ricardo; COSCARELLI, Pedro; COUTINHO, Maria de Fátima Goulart; FONSECA, Arildo Franco. O uso do tempo livre por adolescentes em uma comunidade metropolitana no Brasil. Adolescencia Latinoamericana, Porto Alegre, v. 3, n. 2, nov. 2002.

BECKEMKAMP, Diana; TORNQUIST, Luciana; BURGOS, Miria Suzana. Brincadeiras praticadas no recreio escolar e nas horas de lazer. EFDeportes - Revista Digital, Buenos Aires, n. 156, p.1, maio 2011. Disponível em: . Acesso em: 13 dez 2013.

BRASIL tem 35 milhões de jogadores de videogame, diz pesquisa. Jornal Folha de S. Paulo online, São Paulo, 02 maio 2011. Cad. Tec. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2012.

CAMPOS, M. O que os games tem a ensinar para os alunos. O Estado de S.Paulo, São Paulo, 10 set. 2012. Cad. Educação. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2012.

COLL, Cesar; POZO, Juan Ignacio; SARABIA, Bernabe; VALLS, Enric. Os conteúdos na reforma. Porto Alegre: Artmed, 2000. 184 p.

COSTA, Alan Queiroz. Mídias e jogos: do virtual para uma experiência corporal educativa. 2006. 190f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Motricidade) – Instituto de Biociências de Rio Claro, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2006.

DEMO, Pedro. TICs e educação. 2008. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2013.

DUMITH, Samuel de Carvalho; HALLAL, Pedro Curi; MENEZES, Ana Maria Batista; ARAÚJO, Cora Luiza. Sedentary behavior in adolescents: the 11-year follow-up of the 1993 Pelotas (Brazil) birth cohort study. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 10, p. 1928-1936, out. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2012.

FERRAREZI, Luiz. Infográfico CGBR 2012. Censo Gamer Brasil 2012: A primeira pesquisa sobre o mercado de games brasileiro realizada pela ACIGAMES e InsideComm. Disponível em: < http://jogosdinheirointernet.blogspot.com.br/2012/06/primeiro-censo-naciona-mapeia-mercado.html/>. Acesso em 13 dez. 2013.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e Cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993. 208 p.

IBGE. Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal 2008. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2012.

IBGE. O Setor de Tecnologia da Informação e Comunicação no Brasil 2003-2006. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2012.

IBOPE. Pesquisa inédita do ibope media sobre games revela o perfil dos jogadores de videogame no Brasil. Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Pesquisa, 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2013.

MORAN, José Manuel. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos Tarciso; BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. 19. ed. Campinas: Papirus, 2011. Cap. 1, p. 11- 65.

PRETTO, Nelson de Luca. Escritos sobre educação, comunicação e cultura. Campinas: Papirus, 2008. 240 p.

RODRIGUES JR., Emilio Rodrigues; SALES, José Roberto Lopes. Os jogos eletrônicos no contexto pedagógico da educação física escolar. Conexões: revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 10, n. 1, p. 70-82, jan./abr. 2012.

ROMANÍ, Cristobal Cobo. Y si las nuevas tecnologias no fueren la respuesta? In: PISCITELLI, Alejandro. El projecto FACEBOOK y la posuniversidad. Buenos Aires: Ariel, 2012. Cap. 9, p.131-145.

ROSSETTI, Claudia Broetto; SOUZA, Maria Thereza Costa Coelho de. Preferência lúdica de uma amostra de crianças e adolescentes da cidade de vitória. Psicologia: Teoria e Prática, v. 7, n. 2, p. 87-114, 2005.

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 32. ed. Petrópolis: Vozes, 2004. 144 p.

SANCHO, Juana Maria. De tecnologias da informação e comunicação à recursos educativos. In: SANCHO, Juana Maria; HERNÁNDEZ, Fernando (Org.). Tecnologias para transformar a educação. Tradução de Valério Campos. Porto Alegre: Artmed, 2006. p.15-41.

SÊDA, E. Reportagem especial sobre Videogame. Revista Carta Capital: Política, Economia e Cultura, São Paulo, n. 677, p. 40-50, dez. 2011.

THOMAS, Jerry R.; NELSON, Jack. K.; SILVERMAN, Stephen. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2007. 396 p.

UNESCO. TIC na Educação do Brasil. 1995-2011. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2013.

Endereço: http://ojs.fe.unicamp.br/ged/etd/article/view/4253

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2022 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.