O Ecoturismo Como Vetor de Desenvolvimento Territorial Sustentável: Um Estudo de Caso no Alto Vale do Itajaí

Por: .

246 páginas. 2007 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

Tomando como referência a problemática do meio ambiente, este estudo traça uma radiografia social, econômica e ecológica da região do Alto Vale do Itajaí, em Santa Catarina, buscando identificar aspectos relacionados a um processo - em curso ou em germe - de desenvolvimento territorial sustentável (DTS), no qual o ecoturismo assume papel significativo, ou mesmo determinante. No tratamento desta problemática, este estudo sustenta a hipótese de que o padrão de ecoturismo que vem sendo desenvolvido no Alto Vale do Itajaí configura-se como uma atividade travestida de "ecológica", que reforça o processo de modernização conservadora e que pouco tem contribuído para a constituição de territórios sustentáveis em Santa Catarina. A partir da revisão de literatura, do objeto da pesquisa e da opção por uma abordagem qualitativa, estruturou-se um roteiro de entrevistas e observação para efetivar uma coleta de dados articulada em visitas técnicas, observações de campo, acesso a documentos e entrevistas com informantes-chaves da região em questão, mais especificamente, das cidades de Ibirama, Presidente Getúlio e Rio do Sul, as quais constituem o Pólo de Ecoturismo de Rio do Sul (EMBRATUR 2001). Os dados coletados foram analisados à luz dos princípios do DTS, sintetizados em cinco categorias: satisfação das necessidades básicas, prudência ecológica, autonomia ou self-reliance, viabilidade econômica e programas educacionais. A análise dos dados indicou que há um descompasso entre as políticas e proposições oriundas do setor público, da sociedade civil organizada e das iniciativas privadas, tanto entre estas instituições quanto em relação às categorias analíticas. De maneira geral, as políticas e proposições não se complementam, não se conectam, gerando sobreposição de projetos, desperdício de recursos financeiros, repetição de ações, encaminhamentos e empreendimentos. Observaram-se ainda contradições entre os discursos dos informantes e as ações executadas por eles ou por suas instituições. Nestes casos, os discursos se aproximam dos princípios do DTS, mas o conceito de sustentabilidade subjacente conserva a dimensão econômica no centro dos discursos. Por outra via, constatou-se a presença de uma tomada de consciência socioambiental, a qual se amplia - ou se dissemina - no bojo da construção de projetos ecoturísticos. Foram encontrados indícios de que o ecoturismo poderá se constituir como vetor de estratégias de DTS caso sejam tomadas algumas medidas pelo poder público e pelas iniciativas da sociedade civil, a exemplo da ampliação das conexões com outros setores, do planejamento para a implantação de um Pólo de Ecoturismo e da inclusão, neste projeto, do tema da reversibilidade, do planejamento e elaboração de projetos educacionais pautados no pensamento sistêmico, na educação formal e fora dela; da busca de alternativas para os grandes empreendimentos; da busca de representação da região em fóruns de níveis mais elevados, como o Comitê Gestor dos Pólos de Ecoturismo do Brasil, e da elaboração de um estudo de fluxo e demanda turística em função dos produtos e serviços que a região do Alto Vale do Itajaí quer/pode ofertar. O posicionamento do pesquisador frente este contexto aparece ao final do trabalho, no esboço de cenários desejáveis para a instauração de uma dinâmica de DTS tendo o ecoturismo como vetor estratégico

Endereço: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/103186

Comentários


:-)





© 1996-2023 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.