E-sports e Esporte: Aproximações Entre a Cultura Corporal de Movimento Virtual e os Cyber Megaeventos

Por: Ludmila Dias dos Santos Leal e .

Olimpianos - Journal Of Olympic Studies - v.3 - n.1 - 2019

Send to Kindle


Resumo

Os Jogos Eletrônicos estão ganhando cada vez mais poder de impacto cultural e econômico em nossa sociedade, até que chegaram a um ponto em que no inicio deste século elas começam a atrair a atenção de pesquisadores de diversas áreas, e dentre elas a educação física em suas diferentes vertentes de se ver o mesmo fenômeno. Este trabalho parte deste ponto, procurando fazer uma análise deste quadro atual s partir da produção cultural (literatura, internet, televisão), utilizando-se da hermenêutica como metodologia, ou seja, de buscar sentido naquilo que os jogos querem dizer. A possibilidade de jogar online, e o aparecimento do conceito de e-sports trás uma nova possibilidade dentro da cibercultura. Pessoas em lugares diferentes, com características diferentes, histórias diferentes, podem interagir dentro do ciberespaço sem carregar nenhuma das características da “vida real”, e ao mesmo tempo, como conseqüência justamente dessa diversidade cultural, podem construir algo novo a partir da interação estabelecida mediada pelo ambiente virtual. Como essa situação requer movimento, não necessariamente um movimento físico, adotamos o termo “Cultura Corporal de Movimento Virtual” para trazer essa manifestação para a área da Educação Física. Está claro que estamos lidando com uma produção cultural do movimento humano, e está também claro que são as pessoas que estão produzindo esse conhecimento a partir de demandas lúdicas através das possibilidades permitidas pelo ciberespaço. O ponto culminante desse processo é o aparecimento dos ciber megaeventos. O entendimento e a apropriação deste quadro é fundamental para que possamos compreender essa nova manifestação social dentro de suas próprias peculiaridades. Eles possuem características próprias que os diferenciam das manifestações culturais que conhecemos até então, e é a partir disso que precisamos iniciar nossa compreensão.

Referências

1 De Souza Lessa F. Esporte na Grécia Antiga: Um balanço conceitual e historiográfico. Recorde: Revista de História do Esporte; 2008; 1(2): 1-18.

2 Betti M. Educação Física e Sociologia: Novas e velhas questões no contexto brasileiro. In Carvalho YM, Rubio K (Orgs.). Educação Física e Ciências Humanas. São Paulo: Hucitec; 2001. p. 155-169.

3 Da Silveira GCF, Torres LMZ. Educação física escolar: Um olhar sobre os jogos eletrônicos. XV Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte; 16-21 set. 2007; Recife, PE, Brasil. Recife: CBCE; 2007. p. 16-21.

4 Araújo S, Gastaldo L. Respeito, amizade e excelência: Valores olímpicos vivenciados no esporte escolar. FIEP BULLETIN. 2017; 84(1): 1-5.

5 Costa AQ, Betti M. Mídia e jogos: Do virtual para uma experiência corporal educativa. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 2006; 27(2): 165-178.

6 Saraiva PAC. E-sports: Um fenómeno da cultura digital contemporânea [dissertação]. Lisboa: Instituto Universitário de Lisboa; 2013 [citado 10 set. 2019]. Disponível em http://hdl.handle.net/10071/7784.

7 Tiedemann, C. Sport (and Culture of Human Motion) for Historians. An Approach to Precise the Central Term(s). IX International CESH-Congress; Crotone, Italy. Bordeaux: European Committee for Sports History; 2004.

8 Jensen L. E-Sports: profissionalização e espetacularização em competições eletrônicas [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2017 [citado 9 set. 2019]. Disponível em https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/47321?show=full.

9 Neto AS, Mascarenhas LPG, Nunes GF, Lepre C, Campos Neto W. Relação entre fatores ambientais e habilidades motoras básicas em crianças de 6 e 7 anos. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. 2004; 3(3): 135-140.

10 Kühn S, Lorenz R, Banaschewski T, Barker GJ, Büchel C, Conrod PJ. Positive association of video game playing with left frontal cortical thickness in adolescents. PLoS ONE. 2017; 9(3): e91506.

11 Breda VCT, Picon FA, Moreira LM, Spritzer DT. Dependência de jogos eletrônicos em crianças e adolescentes. Rev. bras. psicoter. 2014; 16(1): 53-67.

12 Berridge KC, Morten LK. Pleasure systems in the brain. Neuron. 2015; 86(3): 646-64.

13 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2019 [citado em 14 set. 2019]. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2018_vigilancia_fatores_risco.pdf.

14 Novais IR. Adaptação de jogos eletrônicos para aulas de Educação Física [monografia]. Bauru: Universidade Estadual Paulista; 2012.

15 Dumazedier J. Lazer e cultura popular. Sa?o Paulo: Perspectiva; 1976.

16 Pereira SK. O videogame como esporte: Uma comparação entre esportes eletrônicos e esportes tradicionais [tese]. Brasília: Universidade de Brasília; 2014.

17 Egenfeldt-Nielsen S, Smith J, Tosca S. Understanding video games: The essential introduction. Mass Communication Research. 2010; 102: 365-372.

18 Mataruna-Dos-Santos LJ, Wanick V, Guimarães-Mataruna AF. Legados de games, advergames e megaeventos esportivos: O caso Rio 2016. Z Cultural. 2016; 2(1):1-13.

19 Lee J, Park H, Wise K. Brand interactivity and its e?ects on the outcomes of advergame play. New Media & Society. 2013; 16(8): 1268-1286.

20 Baracho AFO, Gripp FJ, De Lima MR. Os exergames e a educação física escolar na cultura digital. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 2012; 34(1): 111-126.

21 Marton?ik, M. e-Sports: Playing just for fun or playing to satisfy life goals? Computers in Human Behavior. 2015; 48: 208-211.

22 Lupatini L. A cobertura midiática e a profissionalização dos e-sports no Brasil: Uma contribuição do feature radiofônico [monografia]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2014.

23 Pereira RS. O futebol no mundo dos games: reflexões sobre as representações digitais de corpo, movimento e esporte. Fonte. 2009; 6(9): 87-919.

24 Gafford, T. Kami & PaiN gaming advance to the International Wildcard Finals. Gamespot; 2013 [citado 6 set. 2019]. Disponi?vel em http://www.gamespot.com/league-of-legends/videos/kami-and-pain-gaming- advance-to-the-international-wildcard-finals-6413563/.  

25 Piaget J. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: José Olympio; 1970.

26 Caparróz FE. Discurso e prática pedagógica: Elementos para refletir sobre a complexa teia que envolve a educação física na dinâmica escolar. In: Caparróz FE (org.). Educação física escolar: Política, investigação e intervenção. Vitória: Proteoria; 2001. p. 193-214.

27 Freire P. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra; 2003.

Endereço: http://olimpianos.com.br/journal/index.php/Olimpianos/article/view/69

Comentários


:-)





© 1996-2022 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.