Corporeidades e Masculinidades em Construção Experiências de Homens com a Core Energetics

Por: Dulce Maria Filgueira de Almeida, Eugênia Lacerda, Francisca Islandia Cardoso da Silva, Julia Nogueira e Thiago Camargo Iwamoto.

Corpoconsciência - v.25 - n.2 - 2021

Send to Kindle


Resumo

O artigo analisa experiências de corporeidades e masculinidades de homens praticantes da psicoterapia corporal denominada Core Energetics. A pesquisa de campo, com abordagem qualitativa, foi realizada com homens pertencentes a um grupo de psicoterapia corporal na cidade de Brasília/DF, Brasil. Os procedimentos de investigação adotados foram aplicação de questionário socioeconômico e entrevista individual. Para análise das informações coletadas, utilizou-se a técnica de análise narrativa. Verificou-se que padrões de masculinidades caracterizados, dentre outros, pela aversão à expressão de emoções e sentimentos, pela constante imposição de comprovação da heterossexualidade e pelo apreço à violência causam constrangimento aos participantes, que, em resposta às tentativas de interdição de suas subjetividades, adotam formas alternativas de masculinidades. Percebe-se que o trabalho psicoterapêutico favorece o questionamento e a reflexão acerca dos sentidos de masculinidades ao possibilitar a abertura de canais dialógicos entre as distintas formas existentes e seus impactos sobre os corpos.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

CONNELL, Raewyn. Políticas da masculinidade. Educação e realidade, v. 20, n. 2, p. 185-206. 1995.

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero, uma perspectiva global: compreendendo o gênero – da esfera pessoal à política – no mundo contemporâneo. 3. ed. 1. reimp. São Paulo: nVersos, 2017.

DEVIDE, Fabiano e colaboradores. Estudos de gênero na educação física Brasileira. Motriz, v. 17, n. 1, p. 93-103, jan./ mar., 2011.

DUTRA, José Luiz. Onde você comprou essa roupa tinha para homem? In: GOLDEMBERG, Miriam (Org.). Nu e vestido. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2007.

ELIAS, Nobert. Estabelecidos e outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre, RS: Bookman, 2007.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Gênero, educação física e esportes. In: VOTRE, Sebastião Josué (Org.). Imaginário e representações sociais em educação física, esporte e lazer. Rio de Janeiro: UGF, 2001.

KAUFMANN, Jean-Claude. A entrevista compreensiva: um guia para pesquisa de campo. Petrópolis, RJ: Vozes; Maceió, AL: EdUfal, 2013.

MAUSS, Marcel. A expressão obrigatória dos sentimentos. In: OLIVEIRA, Roberto Cardoso de (Org.). Marcel Mauss: antropologia. São Paulo: Ática, 1979.

OLIVEIRA, Pedro Paulo de. A construção social da masculinidade. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG/Rio de Janeiro: Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, 2004.

PIERRAKOS, John C. Energética da essência: desenvolvendo a capacidade de amar e de curar. São Paulo: Pensamento, 2007.

SILVA, Francisca Islândia Cardoso da; ALMEIDA, Dulce Filgueira. Masculinities in sport: the case of rugby. Movimento, v. 26, e26041, 2020.

SILVA, Francisca Islândia Cardoso da. Espelho, espelho meu, existe alguém mais macho do que eu? 2020. 346f. Tese (Doutorado em Educação Física). Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2020.

SILVA, Thais de Queiroz. Práticas corporais e as experiências extraordinárias em Core Energetics. 2014. 144f. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2014.

TREVISAN, João Silvério. Seis balas num buraco: a crise do masculino. Rio de Janeiro: Record, 1998.

Endereço: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/11466

Comentários


:-)





© 1996-2023 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.