Construção do Modelo de Jogo das Seleções Brasileiras Masculinas Juvenil e Adulta de Handebol

Por: José Carlos Mendes.

2020 31/03/2020

Send to Kindle


Resumo

O presente estudo analisou a construção do modelo de jogo das seleções masculinas de Handebol do Brasil. Participaram do estudo descritivo três treinadores e três assistentes técnicos das seleções brasileiras masculinas de Handebol nas categorias adulta, júnior (U21) e juvenil (U19) nas temporadas 2016 e 2017. Na coleta de dados utilizou-se o Questionário de Perfil de Formação do Treinador (QPFT) e a observação direta das sessões de treino das seleções juvenil (U19) e adulta realizadas durante as temporadas esportivas de 2016 e 2017, com posterior classificação das tarefas nas categorias de variáveis pedagógicas (IBÁÑEZ, 2008), de carga externa (COQUE, 2009) e organizativas (ALÁRCON et al., 2008), sendo respeitados todos os princípios éticos dos investigados. Os recursos da estatística descritiva e inferencial, bem como os coeficientes alfa de Cronbach, de correlação de Pearson e Intraclasse (ICC) e análise fatorial exploratória e combinatória foram utilizados para validação transcultural do questionário. Na análise dos resultados da aplicação dos questionário foram utilizadas as técnicas nãoparamétricas Teste de Wilcoxon, Prova U de Mann Whitney e Kruskal Wallis. Na análise dos dados das tarefas implementadas no processo de treino foram empregados os recursos da estatística descritiva e inferencial, como as distribuições de frequência absoluta e temporal das tarefas e as tabelas de referência cruzadas (X2 e V de Cramer) e posterior interpretação dos resíduos tipificados corrigidos, além do teste de Anova fatorial, com teste post hoc Ryan-EinotGabriel-Welsch Range (R-E-G-W-Q) e o teste de comparação do efeito Sidak, para comparação da distribuição temporal das tarefas de treino, com nível de significância de 5%. Os resultados indicaram elevados níveis de estabilidade e consistência interna na validação transcultural do QPFT, como também a obtenção do pressuposto de invariância de medida da versão brasileira. Os treinadores e treinadores assistentes investigados estruturam o processo de treino do modelo de jogo das seleções masculinas de Handebol a partir das fontes de conhecimento procedentes da sua “experiência profissional”. Há também elevada valorização das fontes de conhecimentos procedentes da “formação acadêmica”. Na estruturação das tarefas de treino das seleções, os resultados indicaram formas similares de distribuição das tarefas de treino entre os treinadores das seleções U19 e adulta, implementando tarefas de treino que incluíam muitos elementos formais e funcionais do jogo, com adequações nas tarefas de treino da seleção U19 para atender as características formativas do jogadores, que priorizavam o desenvolvimento cognitivo dos jogadores por meio de resolução de problemas e frequentes manipulações dos treinadores nos elementos formais das tarefas para proporcionar situações com exigências similares ao jogo. A distribuição temporal das tarefas de treino foi similar entre os treinadores das seleções U19 e adulta, com elevados períodos de tempo disponibilizados em situações de oposição igual e com a interação de toda equipe, com exigências de esforços de alta intensidade e características competitivas ao “jogo formal”, qualificando o processo de treino das seleções U19 e adulta como adequado para o desenvolvimento de elevado nível competitivo dos jogadores de handebol de elite. Conclui-se que, na construção do modelo de jogo proposto às seleções brasileiras de Handebol masculinas, os treinadores e seus respectivos assistentes estruturam o processo de treino baseando-se em fontes de conhecimento procedentes da experiencia profissional, cujo design das tarefas de treino está pautado em modelos alternativos, que incluem um número maior de elementos formais e funcionais do jogo, com prioridade no desenvolvimento cognitivo dos jogadores por meio de resolução de problemas. Além disso, as manipulações frequentes dos elementos formais das tarefas promoveram alterações na carga de treino, proprocionando situações com exigências similares ao jogo, sem distinções entre as seleções U19 e adulta, auxiliando os jogadores na aquisição dos comportamentos táticotécnicos necessários à prática competitiva de elite.

Endereço: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.xhtml?popup=true&id_trabalho=9730434

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2022 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.