Análise Isocinética da Articulação do Cotovelo em Crianças com Paralisia Cerebral

Por: Aline Bigongiari, Flávia de Andrade e Souza e Patrícia Martins Franciulli.

Motriz - v.18 - n.1 - 2012

Send to Kindle


Resumo

A quantidade de torque aplicado na articulação é uma medida de aptidão física importante para  crianças com paralisia cerebral. O presente estudo analisou parâmetros cinéticos na articulação do cotovelo 
em crianças saudáveis e com paralisia cerebral. Participaram 10 crianças com paralisia cerebral e 10  crianças sem comprometimento neurológico. Avaliou-se a média do pico de torque, média do ângulo do 
pico de torque, coeficiente de variação do torque e aceleração angular do movimento de flexo-extensão do  cotovelo nas velocidades com um dinamômetro isocinético. A média de pico de torque (extensão), 
aceleração (flexão) e coeficiente de variação (flexão e extensão) são diferentes entre grupos. Conclui-se  que o torque e aceleração sofreram interferências no movimento de flexo-extensão; as principais diferenças  encontradas foram entre os extremos das velocidades; não houve diferenças no ângulo do pico de torque.  A espasticidade não interferiu na força dos músculos agonistas do movimento de flexão da articulação do  cotovelo.

Endereço: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/3818/pdf_148

Comentários


:-)





© 1996-2022 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.